Cases

Se você se aposentou nos últimos 10 anos e possuía contribuições antes de julho de 1994, você pode ter direito a revisão da vida toda.

Se você se aposentou nos últimos 10 anos e possuía contribuições antes de julho de 1994, você pode ter direito a revisão da vida toda.

Em dezembro de 2019 o STJ reconheceu o direito ao recalculo da aposentadoria ou pensão por morte levando em conta todas as contribuições realizadas antes da concessão do benefício.

Assim, cabe a chamada ação revisional da vida toda, ela só vale a pena para aposentados que realizaram contribuições previdenciárias relativamente altas antes de julho de 1994.

E para se saber se vale a pena o pedido e preciso fazer cálculos, neste caso necessário a carta de concessão do aposentado e o Cnis – Cadastro Nacional de Informações Sociais afim de se calcular e verificar se o aposentado possui o direito a revisão, nos cálculos serão considerados os salários desde julho de 1994 e realiza uma média aritmética simples dos 80% maiores salários de contribuição, descartando os 20% menores salários.

Se você se enquadra neste tema não deixe de procurar os seus direitos, deixe seu comentário aqui.

Ou entre em contato através do e-mail emerson@emersonadv.com.br ou WhatsApp (11) 9 6655-1639.

Ação judicial contra IRB-BRASIL RESSEGUROS S.A

Escritório Emerson Advocacia, ingressa com ação judicial contra IRB-BRASIL RESSEGUROS S.A, mantenedores das ações Balcão denominadas na bolsa de valores como  IRBR3, pelos prejuízos causados pela informação de que Walter Buffet adquiriu ações da companhia, o que foi desmentido e gerado prejuízo de aproximadamente 40% nas ações dos investidores.

É certo que ao aplicar em Bolsa de Valores temos risco inerente ao próprio negócio, mas esta volatilidade do mercado foi dolosamente viciada pelos administradores da empresa com a prática de ato contrário a boa-fé objetiva, causando com isso prejuízos o aplicador de boa-fé.

Net é condenada a indenizar cliente por negativação indevida.

A Net foi condenada a pagar indenização por danos morais á cliente do escritório por ter negativado seu nome indevidamente. O caso decorreu do fato da cliente ter solicitado a ligação de serviços da empresa, sendo que na hora da instalação os serviços foram ligados em apartamento diverso do da autora da ação, assim foi emitida fatura de cobrança pelos serviços e o não pagamento gerou a negativação indevida do nome da autora da ação por cobrança de serviços não prestados. Em ação judicial, foi deferido a tutela liminar provisória determinando a retirada do nome da autora da negativação, após foi proferida sentença anulando a cobrança e condenando a empresa a pagar R$ 15.000,00 de danos morais a autora pela negativação indevida.

Cliente consegue os benefícios da justiça gratuita em ação milionária de divórcio e partilha de bens

Cliente de nosso escritório que possui patrimônio de mais de vinte e cinco milhões de reais, conseguiu no Tribunal o direito de processar seu marido pelo divórcio e partilha de bens…

Concedida indenização por danos morais a cliente após ter sido acusado de furtar produtos da empresa em que trabalha

Cliente de nosso escritório que foi acusado por uma empresa farmacêutica de furtar medicamentos durante o trabalho…

Empresa de transporte aéreo indeniza cliente após ter sido abandonada em escala de vôo por overbooking

Empresa de transporte aéreo foi condenada a indenizar nossa cliente em R$ 20.000,00 após ter sido abandonada em aeroporto por overbooking…